Quer saber qual é o segredo de uma boa redação?  
compartilhar
figuras de linguagem 00

As Figuras De Linguagem estão presentes nos mais belos textos que já foram produzidos.

Você nunca se deparou com um texto que, de tão belo e bem escrito, teve vontade de ler várias vezes, de publicar no Facebook, de ler para a sua mãe, vizinho e até recitá-lo em voz alta no meio da rua?

Sim… nesses textos, certamente há ferramentas que aprimoram a escrita, as chamadas figuras de linguagem.

As suas redações nunca podem deixar de contar com esse recurso!

Além de ver, neste artigo, o que é e como o aplicar, você terá acesso a um arsenal de 50 figuras de linguagem dividas em 4 artigos. Isso mesmo, 50! Você nem acreditou que existiam tantas, não é mesmo?

Prepare-se e descubra agora tudo sobre esse belo recurso da língua!

O que são figuras de linguagem?

figuras de linguagem 01

Figuras de linguagem são:

  • Para quem escreve: ferramentas linguísticas empregadas com a intenção de provocar determinados efeitos de sentido ou de estilo.
  • Para quem lê: termos que influenciam diretamente o resultado da interpretação do leitor, pois potencializam a expressividade da mensagem que a utiliza.
  • Para o texto: palavras “mágicas”, as quais acrescentam originalidade e energia que transformam qualquer texto em uma manifestação única.

São subdivididas em 4 categorias:

Neste artigo veremos as figuras de palavras.

Figuras de Palavras ou Tropos

Figuras de palavras são as figuras de linguagem que, de alguma forma, revolucionam o sentido dos termos empregados em um texto ampliação-lhes de sentido.

Elas criam, importam e restauram significados. As figuras de linguagem classificadas como figuras de palavras são:

  1. Alegoria
  2. Antonomásia
  3. Catacrese
  4. Comparação
  5. Metáfora
  6. Metonímia
  7. Sinestesia

Vejamos cada uma!

1.  Alegoria

figuras de linguagem 02

Alegoria é um conjunto de metáforas que trazem dois sentidos, um manifestado pela palavra e outro pela referência que ela faz a outra situação; ambos com sentido completo.

O primeiro sentido é composto por elementos concretos que referem-se, no segundo, a valores ou conceitos abstratos. Exemplo:

Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.

A água e a pedra são os elementos concretos que se referem respectivamente aos conceitos abstratos perseverança e obstáculo.

Leia também:
Aprenda Se Divertindo: Todas As Figuras de Linguagem em Uma Hilariante História!

Se o autor dissesse:

A perseverança vence grandes obstáculos com o tempo.

O ensinamento jamais teria a mesma força e a mesma representatividade que o embate entre a pedra e a água, ótimos exemplos de força e constância.

2.  Antonomásia

 

figuras de linguagem 03

Antonomásia é a utilização de nome, característica ou atributos com o qual alguém ficou conhecido. Um apelido. Exemplo:

O Cisne Negro retratou a aflição da condição humana como poucos.

Veja como a frase sem a antonomásia deixa de dar um destaque, um diferencial ao texto:

Cruz e Sousa retratou a aflição da condição humana como poucos.

3.  Catacrese

figuras de linguagem 04

Catacrese é considerada uma metáfora morta, pois já foi incorporada ao nosso vocabulário e já deixou de trazer o colorido e o rebuscamento que tinha na sua origem.

A inclusão dela ao idioma se dá porque nem sempre há um termo apropriado a algo que queremos comunicar; dessa forma, acabamos-nos esquecendo de que é uma palavra adaptada. Exemplo:

Embarcaremos em Cumbica às vinte horas.

Embarcar seria o ato de entrar em um barco, e não em um avião.

Veja que não há palavras exatas pra substituir a catacrese empregada.

Não seria um enunciado tão conciso se disséssemos:

Entraremos no avião em Cumbica às vinte horas.

4.  Comparação

 

figuras de linguagem 05

Comparação é a figura de linguagem que trabalha com a semelhança entre dois elementos, na visão de quem compara, a fim de fazer a aproximação entre ambos.

Se quiser usá-la, empregue um termo comparativo que pode ser: “como”, “qual”, “tal”, “tal qual”, “tal como”, “que nem”, “feito”, “assim como” e outros. Exemplo:

Pequena, levada, sorridente… olhar intenso e cintilante,

Reluz feito diamante, como o sol e a chama mais ardente.

É desnecessário dizer que a comparação feita no verso engrandeceu a imagem poética sugerida pelo autor.

Sem ela, não teríamos noção da imensidão do brilho desse olhar descrito:

Pequena, levada, sorridente… olhar intenso e cintilante,

Reluz muito.

5.  Metáfora

figuras de linguagem 06

Ah, a metáfora! A preferida dos poetas! Usando metáfora para definir a metáfora: ela é a “vedete” das figuras de linguagem.

Ela é um recurso estilístico de tão grande valor em termos de sentido, que transforma uma ideia simples em imagem criativa e original.

Da mesma forma da comparação, a metáfora explora a relação de semelhança entre dois termos, ainda que haja pouca coisa em comum entre ambos, o escritor enxerga-a.

Disso nasce uma comparação subentendida entre os dois termos.

A metáfora pode se apresentar de duas maneiras: como comparação implícita, como no exemplo abaixo:

O brilho de nenhuma outra lâmina me seduz, afora o brilho dos teus olhos.

Ela também pode se apresentar substituindo uma palavra por outra em que exista semelhanças. Exemplo:

Caiu e esfolou o queixo no meio-fio. Levantou-se cuspindo pipocas e groselha.

Sem dúvida, os exemplos acima não teriam o mesmo encanto ou a mesma sutileza se fossem escritos sem metáforas:

O brilho dos seus olhos se parecem com lâminas e me seduzem.

 

Caiu e esfolou o queixo no meio-fio. Levantou-se cuspindo dentes e sangue.

 

💡  Mostre a seus amigos que você consome informação de qualidade!

 

6.  Metonímia

figuras de linguagem 07

A Metonímia apresenta algo em comum com a metáfora, ela substitui uma palavra por outra.

A diferença está no fato de que, na metáfora, a palavra que substitui tem alguma semelhança com a outra substituída.

A metonímia, no caso, deixa de tomar como base um ponto de semelhança levando em consideração alguma dependência entre a palavra escolhida e a empregada.

Na metáfora: “Valdirene é uma flor”, na visão de quem está escrevendo, Valdirene tem algo de semelhante à flor, que pode ser a beleza, a delicadeza etc.

Leia também:
50 Figuras de Linguagem para “Turbinar” o Seu Texto - Parte 2

Já na metonímia: “Aprecio Graciliano Ramos”, em que está sendo substituída a obra de Graciliano Ramos pelo nome do autor, não se percebe semelhança entre obra e autor, mas sim dependência, pois a obra pertence ao autor ou faz parte da vida dele.

Ela também é um recurso largamente empregado e que enriquece muito o sentido de um texto, sendo aplicada de inúmeros modos.

Vejamos alguns casos com metonímia e sem ela, a fim de se estabelecer a diferença entre um texto com brilho e um texto com pouco atrativo:

  • Termo abstrato no lugar de um concreto

A caridade não é egoísta.

 

Aqueles que têm caridade não são egoístas.

  • Nome do autor no lugar da obra

Li Machado de Assis já no ensino fundamental.

 

Li livros de Machado de Assis já no ensino fundamental.

  • A causa de alguma coisa no lugar do efeito

Conquistou a independência financeira com o trabalho.

 

Conquistou a independência financeira com o resultado de seu trabalho.

  • Um termo concreto no lugar de um abstrato

Antes de ferir meu coração, lembre-se de que você está dentro dele.

 

Antes de ferir meus sentimentos, lembre-se de que te amo.

  • Um termo indicando o continente de algo no lugar de seu conteúdo

O estádio inteiro vaiou a presidenta.

 

Todos os torcedores do estádio vaiaram a presidenta.

  • Um termo indicando o conteúdo de algo no lugar de seu continente

Dirigiu-se ao encontro munido de um uísque de safra doze anos.

 

Dirigiu-se ao encontro munido de uma garrafa de uísque de safra doze anos.

  • Cores no lugar de objetos que a possuem

Fui inspirado por aquela lua que pairava no negrume noturno.

 

Fui inspirado por aquela lua que pairava no céu noturno.

  • O efeito de alguma coisa no lugar de sua causa (também chamado de metalepse)

A rodovia BR-116 está com doze quilômetros de lentidão.

 

A rodovia BR-116 está com doze quilômetros de trânsito.

  • A espécie no lugar do indivíduo

Os Estados Unidos declararam guerra ao terrorismo.

 

O presidente dos Estados Unidos declarou guerra ao terrorismo.

  • O gênero (ou classe e afins) no lugar da espécie

É sabido que entre o macaco e o leão, o felino leva a melhor.

 

É sabido que entre o macaco e o leão, o leão leva a melhor.

  • Um instrumento no lugar da pessoa que o utiliza

Violões e flautas tocavam harmoniosa melodia.

 

Violinistas e flautistas tocavam harmoniosa melodia.

  • O nome do inventor no lugar do Invento

Santos Dumont propiciou que duas bombas atômicas fossem atiradas no Japão.

 

O invento de Santos Dumont propiciou que duas bombas atômicas fossem atiradas no Japão.

  • O nome do lugar ao invés do produto feito no lugar

Fidel só fumava os cubanos.

 

Fidel só fumava os charutos feitos em Cuba.

  • A marca no lugar do produto

Tire essa barba horrível! Por acaso, falta-lhe gillete?

 

Tire essa barba horrível! Por acaso, falta-lhe lâmina de barbear?

  • A matéria no lugar do objeto feito dela

O aço atravessou a crânio do guerreiro.

 

A espada atravessou a crânio do guerreiro.

  • Uma das partes no lugar do todo

A mão que cuidou de mim foi a mesma que me atirou pedras outrora.

 

A pessoa que cuidou de mim foi a mesma que me atirou pedras outrora.

  • O nome do proprietário no lugar da propriedade

Passamos o dia na Maria.

 

Passamos o dia na casa da Maria.

  • Um símbolo no lugar do objeto simbolizado

Na antiguidade, a espada era a consequência da falta de diplomacia.

 

Na antiguidade, a guerra era a consequência da falta de diplomacia.

  • Um termo no singular no lugar de seu plural

O macaco é o mamífero que mais se aproxima do homem.

 

Os macacos são os mamíferos que mais se aproximam do homem.

  • O todo no lugar de uma de suas partes

Trazia em seu pandeiro o gato que capturara.

 

Trazia em seu pandeiro a pele do gato que capturara.

FIQUE ATUALIZADO!
Coloque seu e-mail abaixo para receber gratuitamente nossas atualizações
 

Observação: o conceito de sinédoque é incorporado ao conceito de metonímia por alguns autores.

Leia também:
50 Figuras de Linguagem para “Turbinar” o Seu Texto - Parte 4

7.  Sinestesia

 

figuras de linguagem 08

A Sinestesia é um tipo de metáfora que junta diferentes impressões sensoriais em uma única descrição, compondo imagens mais complexas e expressivas na mente de quem lê. Exemplo:

Lançou-lhe um olhar áspero e glacial.

A percepção do leitor dessa frase jamais seria igual se fosse escrita sem a junção da sensação visual (olhar) com a tátil (áspero e glacial). Ela não teria o mesmo impacto:

Lançou-lhe um olhar muito indiferente.

Conclusão (Figuras de Linguagem)

figuras de linguagem 09

Você viu neste artigo 7 das 50 figuras de linguagem que trarei em 4 artigos sobre o assunto:

  1. Alegoria
  2. Antonomásia
  3. Catacrese
  4. Comparação
  5. Metáfora
  6. Metonímia
    • Abstrato pelo concreto
    • Autor pela obra
    • Causa pelo efeito
    • Concreto pelo abstrato
    • Continente pelo conteúdo
    • Conteúdo pelo continente
    • Cor pelo objeto
    • Efeito pela causa
    • Espécie pelo indivíduo
    • Gênero pela espécie
    • Instrumento pela pessoa
    • Inventor pelo invento
    • Local pelo produto
    • Marca pelo produto
    • Matéria pelo objeto
    • Parte pelo todo
    • Proprietário pela propriedade
    • Símbolo pelo simbolizado
    • Singular pelo plural
    • Todo pela parte
  7. Sinestesia

Agora, seus textos nunca mais serão os mesmo. Eles terão aquele “algo a mais” que fará a diferença para que todos queiram ler.

Empregue essas ferramentas em seus textos o quanto antes!

Quer ler a continuação deste artigo? Clique no link: 50 Figuras de Linguagem para “Turbinar” o Seu Texto – Parte 2. Lá você verá as figuras de harmonia.

➡ Lembre-se dos seus amigos compartilhando com eles este artigo! É só clicar nos botões abaixo e escolher a rede social de sua preferência!

Espero que você tenha gostado!

E, pra fixar, veja uma canção muito interessante sobre o assunto.

Até!…

Você Também Vai Gostar:
Ebook Propostas de Intervenção Originais

Sobre o autor

Bacharel e licenciado em Letras, especialista em redação e profundo admirador da arte da escrita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe com seus amigos!

Próximo